ARCIL 40 ANOS

A ARCIL – Associação para a Recuperação de Cidadãos Inadaptados da Lousã, foi fundada no ano de 1976, na sequência da conjugação de vontades e esforços de uma Técnica de Serviço Social e de um grupo de pais de crianças com deficiência. Na altura, em pleno período pós-revolucionário que se seguiu à Revolução de Abril de 1974, os serviços de apoio a esta população existiam apenas nos grandes centros urbanos, e eram, na sua maior parte, serviços especializados em deficiências sensoriais ou motoras. Não existiam respostas vocacionadas para a população com deficiência mental na Lousã ou nos concelhos limítrofes. Na sequência de um trabalho de sinalização de crianças em risco, promovido pelo Centro de Saúde local, a Técnica responsável sinalizou também um número elevado de crianças com deficiência que se encontravam em casa, sem qualquer intervenção especializada. Acresce referir que, até à Revolução de Abril, a Rede Escolar portuguesa não aceitava crianças e jovens com deficiência, dispensando-os, inclusive, do dever de frequentar a escolaridade.

A aceitação difícil destas crianças no meio escolar e a inexistência de escolas vocacionadas para este tipo de atendimento determinaram a criação, um pouco por todo o país, de estruturas como a ARCIL, sob a forma de associações de pais ou cooperativas de ensino especial. Em paralelo, o movimento de defesa do direito à igualdade de oportunidades educacionais lutava pela criação de aulas de Ensino Especial, procurando garantir o acesso e o cumprimento da escolaridade obrigatória para todas as crianças e a intervenção especializada para as crianças com deficiência.

 

A ARCIL surge assim, neste contexto sociopolítico, com muitas dificuldades na obtenção de recursos físicos, técnicos e humanos, que foram sendo colmatados com a doação de um edifício antigo que funciona até hoje como sede – o Centro D. Emília de Carvalho -, com os apoios económicos dos Ministérios dos Assuntos Sociais e da Educação e da Cultura, de Autarquias, de entidades privadas nacionais e estrangeiras, e com o trabalho em regime de voluntariado de muitos portugueses e estrangeiros, que ajudaram a erguer as primeiras respostas às 46 crianças que começaram a ser apoiadas em Fevereiro de 1977.

 

Nos seus primeiros Estatutos, a ARCIL “…tem como objetivo contribuir para a promoção do diminuído dos concelhos da Lousã, Miranda do Corvo, Góis e Poiares, através do propósito de dar expressão ao dever de solidariedade e de justiça social entre os indivíduos…”.

 

Apesar da terminologia utilizada na altura, entretanto caída em desuso e substituída sucessivamente por outros conceitos, conceptualmente enraizados em ideologias mais valorizadoras e mais integradoras das pessoas com deficiência e/ou incapacidade, convém ressalvar a presença de conceitos, princípios e valores que até hoje se encontram na intervenção da ARCIL, designadamente:

  • O trabalho de promoção da pessoa com deficiência e/ou incapacidade, no sentido global de contribuir para o seu desenvolvimento máximo como pessoa e da alteração e valoração da sua imagem na sociedade;
  • O dever de solidariedade e de justiça social entre os indivíduos;
  • A integração da pessoa com deficiência na família e na sociedade;
  • A estreita ligação com a família, visando um efetivo exercício da cooperação e da complementaridade;
  • A visão integradora da criança com deficiência nas estruturas regulares de ensino;
  • A importância da formação profissional do indivíduo com deficiência, a valorização das suas competências e a sua motivação para o exercício de uma atividade profissional;
  • A necessidade de conceção e implementação de atividades de cariz ocupacional e/ou profissional adaptadas e estruturadas.

 

No entanto, se ao nível dos princípios e da filosofia de intervenção da Instituição as diferenças são ténues, entre 1976 e a atualidade, o mesmo não acontece em relação aos seus destinatários, às atividades que desenvolve e aos recursos físicos, técnicos, humanos e financeiros que coloca ao serviço da sua Missão. A ARCIL cresceu em número de utentes, os seus utentes cresceram e de crianças passaram a jovens e adultos, as respostas existentes no início – as unidades educativas e de estimulação sensorial -, transformaram-se substancialmente e deram origem, por exemplo, aos atuais Centros de Atividades Ocupacionais e ao Projeto Integração Escolar. Foram sendo criadas novas unidades, novas respostas, novas equipas, projetos e parcerias a nível local, regional, nacional e internacional, procurando a qualificação, a especialização, a adequação das respostas às necessidades específicas de cada pessoa.

 

Inicialmente designada Associação para a Recuperação de Crianças Inadaptadas da Lousã, vê o termo Crianças substituído pelo termo Cidadãos em 1993, já que o grupo inicial de crianças apoiadas se alargou a jovens e adultos com deficiência. Reconhecida como Instituição de Utilidade Pública (I.U.P.) em 1980 e constituída como IPSS – Instituição Particular de Solidariedade Social em 1983, a ARCIL tem vindo a concretizar alterações de ordem estrutural e funcional, numa tentativa constante de se adaptar às transformações sociais, políticas, económicas e ideológicas que têm vindo a afetar o seu contexto.

CRONOLOGIA DOS ACONTECIMENTOS – 40 ANOS

.

11-04-1976

Reunião na Escola do Ciclo Preparatório Carlos Reis, na Lousã, de um grupo de pais com a população e representantes de entidades diversas, tendo em vista a formação de um centro de recuperação de crianças deficientes. Constituição de uma Comissão Instaladora

25-06-1976

Escritura Notarial dos Estatutos e constituição da Associação

23-12-1976

A CML aceita a doação de Jorge Mário de Carvalho, expressa por carta, de 1100 contos para ser utilizada em benefício da população do Concelho da Lousã

Início de 1977

Abertura do Centro de Recuperação de Crianças Deficientes da Lousã, na Quinta do Hospício e admissão dos primeiros utentes.
A CML aceita os termos e condições da doação de Jorge Mário de Carvalho (750 contos para aquisição de imóvel e terreno anexo) e 350 contos (para beneficiação e adaptação) e afectação do espaço ao funcionamento da ARCIL.
Escritura da compra da casa e terreno da Quinta do Hospício feita pela CML e aplicando a doação de 750 contos de Jorge Mário de Carvalho, a D.ª Maria da Conceição Machado de Magalhães Mexia e Dr.º Joaquim de Magalhães Pereira Machado.

03-06-1979

A ARCIL participa na exposição realizada nos Paços do Concelho, sobre o tema «Os direitos das crianças», realizada no âmbito do Ano Internacional da Criança.

1979/1980

Primeira experiência de integração de crianças portadoras de deficiência em sala regular da Creche da Sta. Casa da Misericórdia da Lousã.

14-04-1980

Por despacho publicado no Diário da República II.ª Série, nº 87, a ARCIL foi reconhecida como pessoa colectiva de utilidade pública

1981

Início do funcionamento dos Programas de Pré – Profissionalização.
Protocolo de cooperação entre a ARCIL e a VIUFIL pelo qual se cedeu o terreno para a edificação do Anexo de Produção.
A Assembleia Geral aprova um voto de louvor a António Maio.

Início de 1982

Início do Apoio Residencial para jovens com alguma autonomia. Visita à ARCIL do Governador Civil de Coimbra.
Inauguração do Anexo, pequena instalação industrial da ARCIL a funcionar junto à empresa Viufil da Lousã, contando com a presença Secretário de Estado do Emprego, Dr. Luís Morales, que lançou a primeira pedra.

23-06-1982

Aprovação pela AG de um voto de louvor à direcção presidida por José Ernesto Carvalhinho, por sugestão dos associados José Manuel Marques Leandro e Maria de Lurdes Ifigénia Dias Mendes.

Outubro de 1982

Visita do Secretário de Estado dos Desportos, Dr. Vaz Serra e Moura.
Entra em funcionamento o apartamento dos Codessais – Lousã, tendo em vista o desenvolvimento dos lares ocupacionais.

Início de 1983

Inscrição oficial da ARCIL no Ministério dos Assuntos Sociais (Direcção Geral da Segurança Social) como Instituição Particular de Solidariedade Social.
Entra em funcionamento a oficina de reparação de calçado (ORCA) da ARCIL sob orientação do Sr. Juvenal.

1982/1983

Integração de crianças portadoras de deficiência em salas regulares e salas de apoio permanente em Jardim de Infância da rede pública

05-02-1984

A Assembleia Geral atribui a categoria de Sócio Honorário ao Sr. Jorge Mário de Carvalho e menção honrosa a Rui Carlos Tomás Soares, tesoureiro entre 1976-1979.
Inauguração das Oficinas de Pré-Profissionalização e Sector de Pecuária da ARCIL, na presença do Secretário de Estado do Emprego e Formação Profissional, Dr. Rui Barradas do Amaral, e coordenadora regional da Divisão do Ensino Especial, Dr.ª Isabel Maia.

1985

Criação do Sector de Apoio pela Ocupação (SAPO) para pessoas com deficiência de grau grave / moderado, sem capacidade para a realização de uma actividade profissional

Janeiro de 1986

Abertura do Centro de Formação Profissional, enquadrado e cofinanciado pelo FSE

Verão de 1986

A Assembleia Geral da Arcil autoriza a direcção a adquirir a Quinta do Caimão por 5 milhões de escudos.
Abertura de uma loja da ARCIL no mesmo espaço da Oficina de Reparação de Calçado, para venda de artigos produzidos na instituição de artesanato e artigos de interesse turístico

Outubro de 1986

Entra em funcionamento o Gabinete de Psicologia, aberto ao exterior, sob orientação dos psicólogos Mário Pereira e Fernando David Vieira

Novembro de 1986

Escritura de compra da Quinta do Caimão. Visita do Secretário de Estado da Segurança Social, Dr. José Nobre Pinto Sancho.
Anuncia a entrega à ARCIL da impressão dos cartões de beneficiários da Segurança Social e confirma a atribuição de um subsídio de 7900 contos para aquisição da Quinta do Caimão.
O governante dá também ordem para a creche e adaptação do lar para deficientes profundos na Misericórdia.

1986

Início de funcionamento do apartamento (cadeia) e 2.º apartamento nos Codessais.
Integração de crianças portadoras de deficiência em Escolas do 1.º ciclo da Lousã, em salas de ensino regular e de apoio permanente.
Criação da 1ª Equipa de Ensino Especial com os professores que estavam na ARCIL.

1987

Acordo de cooperação entre a ARCIL e a Divisão do Ensino Especial formalizando o PIL – Projecto Integrado da Lousã.
Constituição formal da valência Centro de Actividades Ocupacionais, em Acordo de Cooperação com a Segurança Social.
A direcção aprova a instalação do Lar de Profundos (Residencial) que abriria em 1988 na Misericórdia.

1988

Arranque na Quinta do Caimão da estrutura de produção agropecuária – ARCILAGRO. Visita do Primeiro-Ministro Cavaco Silva.
A ARCIL passou de observador a vogal do Secretariado Nacional da Reabilitação.

Julho de 1988

Assinatura do Acordo entre a ARCIL e a DREC – Dir. Regional de Educação do Centro para o Projecto de Integração Escolar de crianças e jovens com deficiência / Necessidades Educativas Especiais.
Assinatura do acordo de cooperação entre IEFP e ARCIL regularizando o funcionamento do CEPARCIL (Centro de Emprego Protegido da ARCIL), com três valências – Serração de Madeiras, Reparação de Calçado e Serviços.

1989

Adesão à Rede Europeia de Centros de Reabilitação Profissional, enquadrada no Programa HELIOS, o único programa da Comunidade Europeia exclusivamente dedicado às pessoas com deficiência.
Criada a estrutura ARCILCARD de produção de todo o tipo de cartões de plástico (PVC).

1989/1990

Integração de crianças portadoras de deficiência em Escolas do 2.º e 3.º ciclos da Lousã. Primeiras integrações profissionais de formandos em empresas.

1990

Abertura do Apartamento Residencial com capacidade para 15 pessoas dos dois sexos.
Arranque de um projeto de enclave numa empresa têxtil da Lousã – Fábrica de Alcatifas da Lousã, gerida pela família Carvalho.
Constituição da ARCIL como Núcleo da Lousã do PIIP – Projeto Integrado de Intervenção Precoce

Novembro de 1990

Inauguração do novo bloco da ARCIL – Centro de Reabilitação Física, junto ao núcleo primitivo, com a presença do Dr. José Silva Peneda, Ministro do Emprego e Segurança Social

Verão de 1991

Por iniciativa da APPACDM de Viana do Castelo, foi celebrado um Acordo de Geminação entre esta instituição e a ARCIL.
Visita Oficial do Secretário de Estado da Energia. Formalizada a adesão à FORMEN – Federação Portuguesa de Centros de Formação Profissional e Emprego de Pessoas Deficientes de que foi cofundadora.

Início de 1992

Inauguração do Serviço de Medicina Física e Reabilitação, pelo presidente do CRSS, Dr. Queiró de Lima. Visita do Secretário de Estado do Emprego e Formação Profissional, Bagão Félix ao Centro Ocupacional, Centro de Cartões, Serração de Madeiras (Anexo) e Sapataria

Meados de 1992

Protocolo assinado com a Associação de Desenvolvimento da Lousã (ADEL) onde a ARCIL foi a instituição gestora das verbas do projeto de Luta contra a Pobreza, permitindo o arranque o PDIL – Projeto de Desenvolvimento Integrado da Lousã

05-12-1992

Alteração em Assembleia-Geral da denominação social da ARCIL: Associação para a Recuperação de Crianças Inadaptadas da Lousã, passa a Associação para a Recuperação de Cidadãos Inadaptados da Lousã.
Aprovação da criação da fundação FACIL – Fundação de Apoio ao Cidadão Inadaptado da Lousã.

1992/1993

Criação do Sector de Apoio Residencial. Constituição como Centro HANDINET – Informação, formação e aconselhamento em Ajudas Técnicas, no âmbito do Programa HELIOS.

Início de 1993

Membro Fundador da Rede Europeia PHILADELPHIA, actualmente EAPH – European Association for People with a Handicap.
Escritura pública de compra e venda dos terrenos na Silveira (Serra da Lousã). Visita oficial do Governador Civil de Coimbra, Eng.º. Pedroso de Lima

28-06-1993

Visita do Secretário de Estado do Ensino Básico e Secundário, Dr. Joaquim Azevedo

1994

Assinatura de Acordo de Cooperação com a Segurança Social para a valência de Actividades de Tempos Livres (ATL). Membro Fundador da Rede Europeia COMETRA.

Fevereiro de 1994

Lançamento da 1ª pedra da ARCILCERÂMICA pelo Secretário Nacional da Reabilitação, Dr. António Charana.
A ARCIL passou a integrar, como associada, a DUECEIRA

15-04-1994

Visita do Presidente da República, Dr. Mário Soares, à Silveira.

Verão de 1994

Início do funcionamento da ARCILJOVEM.
A direcção aprova a ARCIL como fundadora da Fundação para o Desenvolvimento do Vale do Ceira/Dueça.

06-10-1994

Realiza-se o Iº Festival Europeu da Canção para pessoas com deficiência, no teatro Orpheus em Apeldoorn – Holanda.

Início de 1995

Reenício das actividades de Musicoterapia.
Rebenta o escândalo da fraude cometida pelo gestor administrativo da ARCIL, José Albano Metello Nunes dos Reis.

23-09-1995

Inauguração de uma loja da ARCIL no Centro Comercial D. Dinis, em Coimbra

Início de 1996

Atribuição do estatuto de Centro Prescritor e Financiador de Ajudas Técnicas através de um despacho interministerial – Saúde, Educação e Segurança Social.
A Assembleia Geral da ARCIL aprova como sócio honorário o Dr. Fernando Carvalho, tesoureiro, após aceitar o seu pedido de demissão.

Meados de 1996

Visita oficial do Sec. Nacional da Reabilitação.
Inauguração da ARCILCERÂMICA no âmbito das comemorações dos 20 anos.

1997

Início das actividades de Hipoterapia, em parceria com a APPC-NRC. Visita oficial do Sec. Estado da Reinserção Social, Rui Cunha.
A Assembleia Geral aprova como sócio honorário o Sr. Luís Torres.

05-05-1998

Protocolo assinado com o CRSS de Coimbra em que a ARCIL se tornou parceira do PDIAS

Novembro de 1998

A ARCIL participa no Festival Europeu da Canção, com os utentes Luis Antão (CEP) e Sara Martinho (CAO-Serviços) e interpretação da canção “Queda do Império” tendo ao piano o musicoterapeuta Rui Ramos.
Visita do Sec. Estado do Emprego e da Formação, Dr. Paulo Pedroso, às instalações da ARCIL, ARCILCERÂMICA, Serração e ARCILCARD.

1999

Visita da Comissão para o Mercado Social de Emprego, Gertrudes Jorge. Visita oficial do Deputado Ricardo Castanheira às instalações da ARCIL.
Inauguração do edifício do CAO – II, na Quinta de Santa Rita, pelo Ministro do Trabalho e da Solidariedade, Dr. Ferro Rodrigues.

Início de 2000

Inicia actividade a Empresa de Inserção ARCILAV (lavandaria e limpeza). Aprovado pela direcção, na generalidade, o Projecto ORCA (transferência para o Intermarché).
Visita do Presidente da Câmara Municipal da Lousã, Dr. Fernando Carvalho.
Protocolo entre a SCML e a ARCIL pela qual a primeira cedeu uma parte das instalações sitas no seu edifício sede, identificado como Lar de Deficientes Profundos.

Meados de 2000

Entrega formal do 4º piso do Centro de Saúde onde vinha funcionando o lar, após transferência do mesmo para as instalações da SCML.
O Presidente da ARCIL, José Ernesto Carvalhinho solicita a demissão das suas funções por motivos de saúde.

Dezembro de 2000

A AG da ARCIL aprova um voto de louvor e agradecimento ao trabalho desenvolvido pelo seu presidente José Ernesto Carvalhinho designando-o Sócio Honorário.
Ascende a Presidente da ARCIL José Manuel Marques Leandro.

2001

Abertura de loja da Arcil no Intermarché da Lousã. Credenciação pelo IEFP como Centro de Recursos Local dos Centros de Emprego da Lousã e de Arganil, funcionando como suporte técnico para as questões e reabilitação.

Início de 2002

A ARCIL foi eleita representante das IPSS do concelho no Conselho Local de Educação da Lousã (CLEL).
Aprovada em AG e por unanimidade, a proposta da direcção para que os fundadores da ARCIL passassem a Sócios Honorários.

Finais de 2002

Inicio de actividade do Rancho Folclórico da ARCIL. Formalizada a adesão à HUMANITAS – Federação Portuguesa para a Deficiência Mental.

2003

Torna-se membro do CLAS – Conselho Local de Acção Social. Realização do 1.º Festival Nacional da Canção da Pessoa com Deficiência, realizado no Cine-Teatro da Lousã, no âmbito das actividades comemorativas do Ano Europeu da Pessoa com Deficiência.

2004

Início do Acordo de Cooperação com a Segurança Social criando a valência Apoio Domiciliário e da valência Lar de Apoio

2006

Realiza-se o I Festival de Folclore da ARCIL no âmbito do programa comemorativo dos 30 anos da instituição.
Visita oficial do Presidente da República, Prof. Aníbal Cavaco Silva, às instalações da ARCIL.

Início de 2007

A Assembleia Geral aprova por unanimidade um voto de louvor ao Prof. António Rodrigues de Almeida Maio enquanto sócio fundador e 1.º Presidente da Direcção da ARCIL.
Encerramento da loja de reparação de calçado que a ARCIL ocupava no Intermarché da Lousã.

2007

A ARCIL é distinguida com o grau de Membro Honorário da Ordem de Mérito no âmbito das comemorações do Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades, comemorado na Cidade de Setúbal.
Escritura de doação de lote na Quinta de Santa Rita (edifícios do SAPO e ARCILMADEIRAS), pela Câmara Municipal da Lousã, doação aprovada por unanimidade em Assembleia Municipal. Organização do Festival Europeu da Canção para Pessoas com Deficiência Mental, no CAE (Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz).

07-02-2008

Homenagem a Fundadores, Ex-Presidentes da Direcção e amigos da ARCIL, colocando fotografias das personalidades homenageadas na sala de reuniões e de direcção.

2009

Inauguração na Vila de Góis, de um Pólo do CAO, em cerimónia presidida pelo director do CDSSC, Dr. Mário Ruivo.
Visita da Ministra da Saúde, Dr.ª Ana Jorge. Lançamento da obra CEO, com a presença da Secretária de Estado Adjunta e da Reabilitação Idália Moniz.

Início de 2010

O Pólo de CAO, em Góis, foi visitado pela Sec. Estado Adjunta e da Reabilitação, Idália Moniz.
O executivo da CML aprova a transferência para a ARCIL das propriedades seguintes: Cabo do Soito, Santa Rita (onde funciona a ARCILCERAMICA), e o local da antiga cadeia na Rua Eng.º Duarte Pacheco onde está instalada a fábrica de cartões. A doação seria oficializada a 02/06/2010, com excepção da Propriedade ao Cabo do Soito.

2010

Formalização da adesão à ADXTUR – Aldeias do Xisto. A ARCIL recebe no Palácio da Bolsa, no Porto, o prémio Manuel António da Mota, menção onrosa e 5.000 euros, com o projecto de acessibilidade, desenvolvido por 2 jovens terapeutas da fala do Centro de Recursos para a Inclusão (CRI), João Canossa e Mariana Teixeira.
A ARCIL recebe no CCB em Lisboa, o prémio “Capacitar” promovido pelo banco BPI, no valor de 200.000 Euros distinguindo o Projecto Sustento. Inauguração do Centro de Estimulação Ocupacional na presença da Sec. Estado para a Reabilitação, Dr.ª Idália Moniz.

2011

Deliberado aderir à RSOPT – Rede Nacional de Responsabilidade Social.
Abertura ao público do bar explorado pela ARCIL no Parque Carlos Reis. Certificação EQUASS.

2012

Inauguração da Loja ARCILCERÂMICA. Inauguração do mural e lançamento oficial da campanha Ponha o seu nome no CEO.
O Programa EDP Solidária premeia o projecto “Coisas da Quinta” desenvolvido pela ARCIL.

2013

A ARCIL assume a coordenação administrativa e financeira do Programa de Contratos Locais de Desenvolvimento Social – CLDS+

15-05-2014

Falecimento do professor António Maio, fundador e 1º presidente da direção da ARCIL (1977-1981)

24-06-2015

Lançamento do livro «Pessoas, Ideias e Afectos: ARCIL – Um Projecto de Causas»

2016

Comemoração do 40º Aniversário da Instituição.